12 de jun de 2014

Estamos no fim?

Há Religião

Papa reza pela paz com líderes israelense e palestino

"A oração pode tudo", escreveu o papa pelo Twitter, pedindo aos fiéis que rezem "pela paz no Oriente Médio e no mundo"

Foto 1 / 9

AMPLIAR FOTOS

O papa Francisco recebe os presidentes israelense e palestino, Simón Peres e Mahmud Abbas, para invocar juntos a paz no Oriente Médio. Em gesto histórico, o papa Francisco se reúne no Vaticano neste domingo com o presidente israelense, Shimon Peres, e o líder palestino, Mahmud Abbas, para uma oração pela paz no Oriente Médio. O convite para o encontro foi feito de forma inesperada durante a viagem de Francisco em maio à Terra Santa, como uma iniciativa para aproximar israelenses e palestinos, particularmente distanciados após o fracasso em abril das negociações de paz. "A oração pode tudo", escreveu o papa na véspera do encontro, no Twitter, pedindo aos fiéis que rezem "pela paz no Oriente Médio e no mundo".

Peres e Abbas desembarcaram em Roma neste domingo, pouco antes do encontro, e foram recebidos pelo papa na entrada de sua residência, a Casa Santa Marta, e não no Palácio Apostólico, como costuma ocorrer nas visitas oficiais. Posteriormente, junto ao patriarca ortodoxo, Bartolomeu I, seguiram pelos jardins até a Casina Pio IV, não muito longe do Museu do Vaticano. A cerimônia é dividida em três atos. Em cada um deles será feita uma oração - primeiro judaica, depois cristã e por último muçulmana - de agradecimento pela Criação, além de pedidos de perdão e invocações pela paz.

Leia também: Líderes de Israel e da Palestina rezarão juntos no Vaticano

Cada momento do encontro deste domingo foi estudado minuciosamente para evitar que o ato seja instrumentalizado por alguma das partes. O ato, que inclui orações, meditações e música, está sendo realizado em local neutro, os jardins do Vaticano, ao ar livre e sem símbolos religiosos. Francisco explicou à imprensa que seria "uma loucura" se o Vaticano fizesse propostas de paz ou mediasse as negociações. Trata-se, sobretudo, de um gesto simbólico para defender e invocar a paz, que durará cerca de uma hora. O chefe da Igreja católica deseja mostrar que as três religiões monoteístas – cristã, judaica e muçulmana –, além de ter raízes comuns, podem trabalhar juntas pela paz.

Todos os momentos da cerimônia serão precedidos por música, interpretada ao vivo, que permitirá aos presentes se recolher em meditação. Os judeus rezarão em hebraico, os cristãos em inglês, árabe e italiano e os muçulmanos em árabe. O Vaticano publicou no sábado os textos das orações e das invocações para evitar surpresas. O encontro público será encerrado com um "gesto comum de paz": os três darão as mãos e plantarão juntos uma oliveira, símbolo da paz. Ao fim, o papa terá um breve encontro a portas fechadas com os dois presidentes, antes que eles deixem o Vaticano.

Pausa na política – "Este é um momento para pedir a Deus pelo presente da paz. É uma pausa na política", declarou na sexta-feira o padre franciscano Pierbattista Pizzaballa, sacerdote responsável por cuidar dos locais de peregrinação católica na Terra Santa e um dos principais organizadores do encontro marcado para hoje. O religioso declarou que não se trata de uma "oração interreligiosa" e que cada um rezará segundo sua confissão.

O religioso afirmou que o evento "é também um convite aos políticos a fazer uma pausa e levantar os olhos ao céu". "Todos querem que algo aconteça, que algo mude. Todos estão cansados dessas eternas negociações que nunca terminam", disse. "O santo padre não quer entrar nas questões políticas do conflito israelense-palestino - que todos nós conhecemos até o mais mínimo detalhe, de 'A' a 'Z'. O papa Francisco nunca se envolverá em discussões sobre fronteiras ou assentamentos, mas sua intenção é ajudar a criar o clima social e religioso em que a paz possa surgir."

Retomadas em agosto após três anos congeladas, com a intermediação do governo dos EUA, as negociações entre israelenses e palestinos foram suspensas novamente em abril, após as facções palestinas Fatah, que governa a Cisjordânia, e Hamas, que controla a Faixa de Gaza anunciarem sua reconciliação. Considerado terrorista por Israel, EUA e outros países, o islamista Hamas não reconhece o Estado israelense.

(com AFP e Estadão Conteúdo)

21 de mai de 2014

1°Aniversário da AD. Vila Bela - Caruaru - PE


Festa em Caruaru - PE !!!

Nos dias 10, 11,  12 de Maio de 2014



.

Pr. Pres. Edi Marcos Vinagre de Lima
Ministrando  palavra.

  
Marlene Couto  de Lima - Líder da UFA,



 

Foi um grande avivamento, fomos visitados
pelo poder do Espírito Santo!!!

















Aconteceu uma grande Festa na cidade de Caruaru - PE.
Onde foi realizado o l° Aniversário da AD. Vila Bela na região do Agreste Pernambucano.
Nesta  ocasião esteve presentes; O Pr. Pres. Edi Marcos Vinagre de Lima e sua mui digna esposa Marlene Couto Lima. Nos quais fizeram a abertura desta festividade.


Pr.Elcio Brandão
Ministrando a palavra







 O 




Pb .Jackson Bezerra
Pb.Jackson Bezerra, nosso anfritião e dirigente local  da igreja  nos recebeu cordialmente como convém aos santos. No qual tem feito um excelente  trabalho evangelístico durante este período em que abrimos esta congregação missionária e já contamos em torno de 50 pessoas entre  membros e congregados eumasub-congregação
 na zona rural em  Serrra Velha.
                                                                                                           


Nesta grande confraternização esteve também prestigiando e cooperando na obra do Senhor, o Pr. Elcio Brandão e sua esposa  irmã Silvia Brandão.






  Na programação foi realizado o  1° batismo em Caruaru - PE. 



8 almas para glória de Deus.








Pr. Elcio Brandão e Pb. Jackson Bezerra  realizaram o batismo.



                              
Nos cultos   almas se renderam aos pés do salvador .

Irmã Silvia Brandão saudando a todos!!!
                          


            Foi uma bênção!!!
               continue contribuindo com a obra missionária.
            Missões esta no coração de Deus.
           E se faz com as mãos dos que contribue,

                     Com os joelhos dos que ficam e dos pés que vão.

              Um forte abraço a todos!!!

          Pr. Elcio Brandão 

12 de dez de 2013

Teologia da Libertação



Teologia da Libertação é um movimento supra-denominacional, apartidário e inclusivista de teologia política, que engloba várias correntes de pensamento1 que interpretam os ensinamentos de Jesus Cristo em termos de uma libertação de injustas condições econômicas, políticas ou sociais. Ela foi descrita, pelos seus proponentes como reinterpretação analítica e antropológica da fé cristã, em vista dos problemas sociais,2 mas outros a descrevem como marxismorelativismo ematerialismo cristianizado.3
A teologia da libertação se tornou um movimento internacional e inter-denominacional, isto porque absorveu crenças dasReligiões do Oriente, da Umbanda, do Espiritismo, do Islamismo e do Xamanismo. Embora a mesma tenha se iniciado como um movimento dentro da Igreja Católica, na América Latina nos anos 1950-1960, o termo foi cunhado pelo padre peruano Gustavo Gutiérrez em 1971, sendo que mais de 40 anos depois se reconciliou com o Vaticano4 . Escreveu um dos livros mais famosos do movimento, A Teologia da Libertação. Outros expoentes são Leonardo Boff do BrasilJon Sobrino de El Salvador, e Juan Luis Segundo do Uruguai.5 6 7 A teologia da libertação desde os anos 90 sofreu um forte declínio, principalmente devido ao envelhecimento de suas lideranças, e a falta de participação das recentes gerações nesse movimento.8
Em seu recente discurso aos dirigentes do CELAM, durante a Jornada Mundial da Juventude no Rio de Janeiro, o Papa Francisco alertou para o risco da ideologização da mensagem evangélica quando a teologia toma como base as ciências sociais:
esse método pode levar ao reducionismo socializante. É a ideologização mais fácil de descobrir. Em alguns momentos, foi muito forte. Trata-se de uma pretensão interpretativa com base em uma hermenêutica de acordo com as ciências sociais9 .
A influência da teologia da libertação diminuiu após seus formuladores serem condenados pela Congregação para a Doutrina da Fé (CDF) em 1984 e 1986. A Santa Sé condenou os principais fundamentos da teologia da libertação, como a ênfase exclusiva no pecado institucionalizado, coletivo ou sistêmico, excluindo os pecados individuais, a eliminação da transcendência religiosa, a desvalorização do magistério, e o incentivo à luta de classes.10 11

América Latina[editar | editar código-fonte]

Origens e história[editar | editar código-fonte]

O documento Libertatis nuntius da Santa Sé de 1984 assinado pelo então Cardeal Ratzinger sobre a Teologia da Libertação 12aponta como motivações da Teologia da Libertação:
  1. A impaciência e o desejo de ser eficazes de alguns cristãos que, perdida a confiança em qualquer outro método, voltaram-se para a análise marxista.
  2. Pensavam que uma situação intolerável exige uma ação eficaz que não pode mais ser adiada. Uma ação eficaz supõe uma análise científica das causas estruturais da miséria. O marxismo seria o instrumental para semelhante análise. Bastaria aplicá-lo à situação da América Latina
  3. Uma concepção totalizante impõe a sua lógica e leva as teologias da libertação a aceitar um conjunto de posições incompatíveis com a visão cristã do homem. Com efeito, o núcleo ideológico, tomado do marxismo e, que serve de ponto de referência, exerce a função de princípio determinante.
Segundo Gonçalves,13 o nascimento e o desenvolvimento da Teologia da Libertação na América Latina e no Caribe se deve basicamente a três fatores14 :
  1. Situação política, econômica e social do continente: A Teologia da Libertação foi gestada durante os regimes antipopulares que governavam países do continente.
  2. O desenvolvimento do marxismo como instrumento de análise social: as ciências sociais, entre elas a análise marxista eram utilizados para compreender a origem das contradições da sociedade, embora, segundo Gonçalves, o marxismo não fosse utilizado como ferramenta para construção do projeto social alternativo.
  3. Mudanças no âmbito da Igreja Católica. Do ponto de vista católico, algumas mudanças na Igreja possibilitaram o surgimento da Teologia da Libertação:
    1. A experiência da Ação Católica e seu método VER-JULGAR-AGIR. Esta pedagogia ajudou na busca de uma compreensão crítica da realidade e impulsionou uma ação transformadora.
    2. A realização do Concílio Vaticano II, entre 1962-1965 e a busca de diálogo da Igreja com o mundo moderno.
    3. Segunda Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano, em MedellínColômbia, ocorrida na vigência dos regimes militares.
    4. O florescimento das Comunidades Eclesiais de Base, que impulsionadas pela Conferência de Medellín e pela pedagogia da Ação Católica através do método VER-JULGAR-AGIR, lutavam pela transformação social.
    5. O enfrentamento dos regimes militares por parte dos bispos, quer através das conferências episcopais nacionais, quer por bispos isolados, como Dom Hélder Câmara, Dom Pedro Casaldáliga, Dom Paulo Evaristo Arns, Dom Oscar Romero, entre outros.
As mudanças ocorridas na sociedade desde então apresentam novos desafios da contemporaneidade, como o neoliberalismo econômico e a exclusão social, a globalização, o pluralismo cultural e religioso,15 a crise das igrejas cristãs históricas ante o fenômeno da pós-modernidade.
Leonardo Boff
Uma das instituições na América Latina que se dedicou a apologia da Teologia da Libertação é a "Unisinos", instituição de ensino superior jesuíta do Rio Grande do Sul, que no final de 2011 promeveu o "Congresso Continental de Teologia"16 , que reuniu muitas antigos proponentes da teologia da libertação, para fundir seus príncipios com os documentos do Concílio Vaticano II, que completou 50 anos em 2011. Essa visão entra em choque com a interpretação que a Santa Sé e os Papas, responsáveis pelas próprias publicações dos documentos conciliares, e de sua interpretação desde então, esta foi reconfirmada no Sínodo em Roma no mesmo ano.17 .

Surgimento[editar | editar código-fonte]

A Teologia da Libertação nasceu da influência de três frentes de pensamento, o Evangelho Social das igrejas norte-americanas, trazido ao Brasil pelo missionário e teólogo presbiteriano Richard Shaull; a Teologia da Esperança, do teólogo reformado Jürgen Moltmann; e ateologia antropo-política que tinha como seus grandes expoentes o teólogo católico Johann Baptist Metz, na Europa, e o teólogo batistaHarvey Cox, nos Estados Unidos.[carece de fontes]
Especialmente a publicação em 1965, pelo teólogo batista Harvey Cox, A Cidade Secular, como contraposição à obra clássica de Santo AgostinhoDe Civitate Dei, na qual defende que a divisão entre a cidade dos homens (o mundo terreno) e a cidade de Deus (o mundo espiritual), segundo ele a partir do século XX essa visão encontra-se superada pela contraposição entre a cidade dos operários oprimidos (o mundo proletário), a cidade dos donos do poder (o mundo geopolítico) e a cidade dos capatazes opressores (o mundo burguês).
O marco do nascedouro da Teologia da Libertação porém, está na publicação da obra Da Esperança, de Rubem Alves, que tinha o título de Teologia da Libertação, criticando a praxis infra-metafísica de uma forma geral e propondo o nascimento ex-nihilo de novas comunidades de cristãos, animados por uma visão e por uma paixão pela libertação humana e cuja linguagem teológica se tornava histórica.[carece de fontes]
A primeira participação católica no lançamento da Teologia da Libertação foi a publicação da Teologia da Revolução, em 1970, pelo teólogo belga radicado no Brasil José Comblin. Em 1971, Gustavo Gutiérrez publicou Teologia da Libertação. Somente em 1972, Leonardo Boff surge no cenário teológico com a publicação de Jesus Cristo Libertador. Como Rubem Alves estava asilado nos EUA neste período, Boff passou a ser o mais conhecido representante desta corrente teológica que vivia no Brasil, devido à proteção recebida pela ordem dos franciscanos, à qual ele pertencia.[carece de fontes].
O método destas teologias é indutivo: não parte da Revelação e da Tradição eclesial para fazer interpretações teológicas e aplicá-las à realidade, mas partem da interpretação da realidade da pobreza e exclusão e do compromisso com a libertação para fazer a reflexão teológica e convidar à ação transformadora desta mesma realidade. Ocorre também uma crítica à teologia moderna e sua pretensão de universalidade. Consideram esta teologia eurocêntrica e desconectada da realidade dos países periféricos.[carece de fontes]

Declínio[editar | editar código-fonte]

A Teologia da Libertação tem enfrentado um acentuado declínio nos últimos anos por diversos motivos, como envelhecimento ou morte de vários expoentes dessa corrente, perda de apelo frente às novas gerações de clérigos, teólogos e fiéis, e a pesquisa teológica atualmente menos calcada em ideologias.
Algumas membros da Igreja Católica chegam a afirmar que a Teologia da Libertação já morreu: "Quando um movimento ou instituição teima em garantir que está vivo é porque morreu e virou fantasma. A Teologia da Libertação já passou."8

Polêmica e críticas[editar | editar código-fonte]

Acusa-se tal movimento de ser condescendente com a culpabilidade da Igreja, que segundos estudiosos, é bem menor do que julgam os promotores, e de deturpar o caminho divino, colocando-o em segundo plano diante da missão terrena de ajudar os pobres.18
Integrantes do movimento afirmam que este movimento sempre foi baseado em ideais de amor e libertação de todas as formas de opressão (especialmente opressão econômica). Também afirmam que ele teria uma forte base nas escrituras sacras. Por outro lado, alguns aspectos da teologia da libertação têm sido fortemente criticados pela Santa Sé e por várias igrejas protestantes, como por exemplo o fato dos adeptos da Teologia da Libertação defenderem um papel político significativo para as igrejas, e pela utilização domarxismo como base ideológica e metodológica do movimento.19 20 21
Segundo o teólogo e ex-dominicano Matthew Fox, proibido, pelo então cardeal Ratzinger, de ensinar a Teologia da Libertação e posteriormente expulso da ordem à qual pertencera por 34 anos, "a CIA esteve envolvida, especialmente com o Papa João Paulo II, no esmagamento da Teologia da Libertação em toda a América do Sul, substituindo líderes do movimento teológico que se deturpa da doutrina da Igreja Católica (explicado em sua totalidade pelo então Cardeal Joseph Ratzinger), inclusive bispos e cardeais, por integrantes da Opus Dei, uma prelazia pessoal fundada por São José Maria Escrivá".

Posição da Igreja Católica[editar | editar código-fonte]

Na Igreja Católica, a Congregação para a Doutrina da Fé publicou dois documentos sobre esta teologia, Libertatis nuntius ("Instrução sobre alguns aspectos da Teologia da Libertação"), em 1984,22 e Libertatis Conscientia, de 1986.23
Os documentos, defendem a importância do compromisso radical para com os pobres, porém considera a teologia da libertação herética, por fazer uma releitura marxista e de outras ideologias políticas (materialista e atéia) da religião, é incompatível com a doutrina católica. Outros afirmam que o que ocorreu não foi uma crítica ou repressão ao movimento em si, mas sim correção de certos exageros de alguns de seus representantes (como sacerdotes mais tendentes à política). O Papa João Paulo II dirigiu uma carta àCNBB, em 9 de abril de 1986, pedindo o verdadeiro desenvolvimento desta teologia, ao excluir-se seus príncipios incorretos:24
Na medida em que se empenha por encontrar aquelas respostas justas – penetradas de compreensão para com a rica experiência da Igreja neste País, tão eficazes e construtivas quanto possível e ao mesmo tempo consonantes e coerentes com os ensinamentos do Evangelho, da Tradição viva e do perene Magistério da Igreja – estamos convencidos, nós e os senhores, de que a Teologia da Libertação é não só oportuna, mas útil e necessária. Ela deve constituir uma nova etapa - em estreita conexão com as anteriores - daquela reflexão teológica iniciada com a tradição apostólica e continuada com os grandes padres e doutores, com o magistério ordinário e extraordinário e, na época mais recente, com o rico patrimônio da Doutrina Social da Igreja expressa em documentos que vão da Rerum Novarum a Laborem Exercens.
A carta do Papa aos bispos brasileiros expressa, ainda: "Os pobres deste país, que tem nos senhores os seus pastores, os pobres deste continente são os primeiros a sentir urgente necessidade deste evangelho da libertação radical e integral. Sonegá-lo seria defraudá-los e desiludi-los." Para concluir, o texto incita ao verdadeiro desenvolvimento da Teologia da Libertação "de modo homogêneo e não heterogêneo com relação à teologia de todos os tempos, em plena fidelidade à doutrina da Igreja, atenta a um amor preferencial e não excludente nem exclusivo para com os pobres."
Assim a Igreja Católica rejeita qualquer doutrina que foque exclusivamente nos aspectos materiais do homem, e exclua Deus. Desse modo, o então Cardeal Ratzinger, no retiro espiritual que pregou ao Papa João Paulo II, e aos Cardeais em 1986, escreveu:
"Sem resposta para a fome da verdade, sem cura das doenças da alma ferida por causa da mentira ou, numa palavra, sem a verdade e sem Deus, o homem não se pode se salvar. Aqui descobrimos a essência da mentira do demônio. Deus aparece na sua visão do mundo como supérfluo, desnecessário à salvação do homem. Deus é um luxo dos ricos. Segundo ele, a única coisa decisiva é o pão, a matéria. O centro do homem seria o estômago".25
E perguntou o Cardeal Ratzinger, falando aos Cardeais: "Porventura não existe uma tendência, também entre nós, de adiar o anúncio da verdade de Deus, para antes fazer as coisas "mais necessárias"? Vemos, porém, que um desenvolvimento econômico sem desenvolvimento espiritual destrói o homem e o mundo".25

Reposicionamentos e críticas[editar | editar código-fonte]

Clodovis Boff, professor da PUC/PR e importante teórico da Teologia da Libertação, irmão do ex-padre Leonardo Boff, escreveu um longo artigo 26 apontando importantes desvios na teologia da libertação. Sintetiza sua crítica em dois pontos: "a Teologia da Libertação (...) devido à sua ambiguidade epistemológica, acabou se desencaminhando: colocou os pobres em lugar de Cristo. Dessa inversão de fundo resultou um segundo equívoco: instrumentalização da fé "para" a libertação. Erros fatais, por comprometerem os bons frutos desta oportuna teologia."
Com o envelhecimento de seus mais importantes teólogos, vozes importantes de dentro do movimento passaram a apoiar o reposicionamento da Teologia da Libertação como Teologia da Cidadania27 .

Fórum Mundial de Teologia e Libertação[editar | editar código-fonte]

Os teólogos da libertação atualmente reúnem-se no Fórum Mundial de Teologia e Libertação. Este fórum surgiu de um encontro de teólogos durante o III Fórum Social Mundial, em 2003.28 O primeiro Fórum Mundial ocorreu em Porto Alegre, em janeiro de 2005. O II Fórum ocorreu em janeiro de 2007 em Nairóbi, capital do Quênia, com o tema “Espiritualidade para outro mundo possível”. Estes Fóruns antecedem o Fórum Social Mundial (FSM). O último fórum ocorreu em Belém (Pará) de 21 a 25 de janeiro de 2009. Seu tema geral foi Água, Terra, Teologia - para outro mundo possível. A proposta do fórum é reunir teólogos e teólogas cristãs dos diversos continentes que trabalhem com o tema da libertação, em todas as suas dimensões, tornando-se "um espaço de encontro para reflexão teológica de alternativas e possibilidades de mundo, tendo em vista contribuir para a construção e uma rede mundial de teologias contextuais marcadas por perspectivas de libertação".29
O IV Fórum Mundial de Teologia e Libertação foi realizada de 5 a 11 de fevereiro de 2011, em Dakar, Senegal, junto ao 10º Fórum Social Mundial.30 . No evento estiveram presentes cerca de 110 teólogos e teólogas de diversas tradições religiosas e de diferentes partes do mundo, com o objetivo de promover o diálogo entre as religiões e as práticas sociais.

Teólogos da libertação[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]


Referências

  1. Ir para cima Tamayo J. J. Teologias da libertação. In: Dicionário de Conceitos Fundamentais do Cristianismo. São Paulo: Paulus, 1999. ISBN 85-349-1298-X
  2. Ir para cima Be